Turnê da Orquestra Mundial comemora Guerra e Paz



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Para jogar pela mudança, é Marley; para a Orquestra Mundial pela Paz, é Mahler.

De qualquer forma, a mensagem é a mesma: paz através da música. Esta semana, a Orquestra Mundial, formada por 95 músicos de 35 países, se apresentará tanto para comemorar a Segunda Guerra Mundial quanto para comemorar os 200 anos de paz.

No dia 1º de setembro, a Orquestra Mundial se apresentou em Cracóvia, Polônia, em um concerto que marcou o 70º aniversário do início da Segunda Guerra Mundial. O programa incluía a “Sinfonia nº 5 in C # Minor ”, bem como a estreia mundial de uma peça encomendada“ Prelude to Peace ”, do compositor polaco Krzysztof Penderecki.

A orquestra seguirá este evento sombrio com uma celebração em Estocolmo, Suécia, em 2 de setembro, no Festival do Mar Báltico. O tema do festival este ano é apropriadamente chamado de "paz e reconciliação", escolhido para o 200º aniversário de um tratado de paz entre a Suécia e a Finlândia.

A Orquestra Mundial pela Paz foi fundada pelo influente maestro Georg Solti, um judeu-húngaro que foi forçado a abandonar sua terra natal no início da Segunda Guerra Mundial. Ele organizou a orquestra pela primeira vez a pedido das Nações Unidas para comemorar seu 50º aniversário em 1995.

A ideia vinha fermentando na mente de Solti desde um concerto no Palácio de Buckingham três anos antes, quando 13 dos músicos mais prolíficos do mundo se reuniram e se apresentaram para comemorar seu 80º aniversário. Solti disse mais tarde: “Não pude escapar de uma ideia muito essencial. Não é incrível que nós, músicos, possamos produzir uma Europa unida ou mais ... até mesmo um mundo unido. Por que não podem os políticos? ”

Infelizmente, Solti faleceu em 1997, e Valery Gergiev, o Maestro Principal da Orquestra Sinfônica de Londres, liderou o grupo desde então, dando concertos em cidades como Moscou, Berlim, Pequim, Jerusalém e Budapeste.

A Orquestra Mundial é uma organização de elite que só admite músicos por convite. Esses cidadãos, representando dezenas de culturas e línguas, sentam-se lado a lado, muitas vezes incapazes de se comunicar com palavras, mas ainda em perfeita harmonia. Como disse Solti, seria bom se um dia os políticos pudessem fazer o mesmo.


Assista o vídeo: Noite de Paz - Orquestra Redenção - Ad Belém - Carapicuíba.


Comentários:

  1. Broc

    a frase está longe

  2. Sylvester

    Eu considero, que você não está certo. Estou garantido.

  3. Mabar

    I guess it's yes

  4. Yorg

    e onde para você a lógica?

  5. Caddawyc

    Encontrou casualmente hoje este fórum e foi registrado para participar da discussão desta questão.

  6. Kazikus

    Um tópico muito curioso

  7. Avigdor

    Sim, de fato. Eu concordo com tudo acima, por dito. Vamos examinar esta questão.



Escreve uma mensagem


Artigo Anterior

O que aconteceu com a poesia de viagem?

Próximo Artigo

Índia, pobreza e o medo de viajar para lugares pobres