A geografia da violência de gênero no Brasil



We are searching data for your request:

Forums and discussions:
Manuals and reference books:
Data from registers:
Wait the end of the search in all databases.
Upon completion, a link will appear to access the found materials.

Se cada país explorasse a topografia de sua crueldade, como seriam os mapas?

Um novo estudo sobre o Brasil lançado no último domingo enfoca a violência enraizada no país contra as mulheres.

De acordo com a CNN, o estudo do Brasil, cunhou “Mapa da violência 2010, ”Mostra que entre 1997 e 2007, 41.532 mulheres foram assassinadas. Um olhar mais atento aos números revela mais más notícias: 10 mulheres são mortas diariamente por esta causa. Quarenta por cento das vítimas tinham entre 18 e 30 anos, e a maioria dos casos foi instigada por parentes, cônjuges, ex-namorados ou homens que rejeitaram.

A conscientização sobre a violência doméstica no Brasil está aumentando há décadas. No entanto, ultimamente, as menções geralmente se devem a casos de grande repercussão que geram buzz na mídia nacional. No início deste mês, Bruno Fernandes, um jogador / goleiro profissional brasileiro, foi acusado de assassinar sua ex-amante, Eliza Samudio. Depois que o caso veio à tona, Marina Silva, candidata à Presidência do Brasil em outubro de 2010, falou abertamente sobre sua preocupação com essa tendência crescente. “Temos visto repetidamente esse tipo de episódio contra a vida das mulheres”, explicou ele ao The Guardian.

Dez mulheres são mortas diariamente por esta causa. Quarenta por cento das vítimas tinham entre 18 e 30 anos, e a maioria dos casos foi instigada por parentes, cônjuges, ex-namorados ou homens que rejeitaram.

As raízes do desânimo

A violência contra as mulheres no Brasil remonta ao início da história do país. Em 1822, foi imposta uma lei que permitia a um homem matar sua esposa adúltera, mas criminalizou o mesmo ato quando perpetrado por uma mulher. E apesar do facto de a lei ter sido revogada pouco tempo depois (em 1830, após a independência de Portugal ser conquistada), uma forte crença na sua aceitabilidade social parecia manter-se.

Durante anos, “emoção violenta” foi uma desculpa legal para crimes contra mulheres. No entanto, conforme o movimento feminista se tornou proeminente após a redemocratização do Brasil em 1985, as mulheres começaram a relatar suas experiências com a violência doméstica. Em última análise, o “Lei da violência doméstica e familiar(Também chamada de Lei Maria da Penha, após uma notável figura feminista que ficou parapalégica pelo marido abusivo) foi assinada em 2006. A lei triplicou a punição para crimes relacionados à violência de gênero e criou juizados especiais com jurisdição sobre esses assentamentos.

No entanto, o que aconteceu nos anos anteriores a 2006? E por que esse tipo de violência ainda é tão comum no Brasil?

DDMs / Delegacias Femininas

Uma esperança se destaca entre as iniciativas para acabar com os crimes contra as mulheres no Brasil.

Em 6 de agosto de 1985, o primeiro delegacia de defesa da mulher - esquadra em defesa da mulher–Foi criada em São Paulo. Em 2004, o Brasil havia aberto 339 “DDMs” em todo o país com a esperança de abordar e combater adequadamente a violência de gênero.

Composto apenas por policiais do sexo feminino, os DDMs buscam fornecer um lugar seguro onde as mulheres possam expressar seus problemas e buscar acordos legais. Embora muitas vítimas se sintam culpadas por delatar seus parceiros ou parentes, as autoridades estavam otimistas de que essa nova estrutura poderia reduzir a ansiedade em relatar os abusos aos policiais do sexo masculino.

Os DDMs têm conseguido aumentar a conscientização sobre a violência doméstica no Brasil, bem como a necessidade de enfrentar esse problema crescente. As estações foram até apresentadas em um segmento de rádio sobre seu trabalho, e um programa de televisão, “Delegacia Da Mulher,”, Que durou duas temporadas no início dos anos 1990. Além de aumentar o conhecimento geral, os DDMs forneceram apoio emocional a muitas mulheres e as ajudaram a encontrar forças para registrar seus casos.

Paradoxos persistentes

Apesar do grande progresso dos DDMs, vários paradoxos têm impedido sua capacidade de realmente tirar o Brasil de sua cultura de violência de gênero. Um país conhecido por sua brutalidade policial, os DDMs do Brasil ainda são examinados e às vezes até temidos. Outros criticaram as próprias mulheres policiais, dizendo que elas também mantêm estereótipos históricos sobre a masculinidade e são incapazes de se identificar com as vítimas. Nesse sentido, ser mulher não sensibiliza naturalmente alguém para esse problema, e essa realidade deve ser levada em consideração.

Os obstáculos legais também permanecem. Muitas mulheres esperam até segunda-feira para relatar os abusos enquanto seus maridos ou amantes estão no trabalho. No entanto, neste ponto, a prova física de abuso frequentemente não é mais óbvia.

Além disso, os DDMs carecem de recursos e métodos apropriados de treinamento. E, de modo geral, muitos reclamaram que, no Brasil, a burocracia impede o registro de queixas de violência doméstica. Essas deficiências tornam o alívio da violência doméstica bastante difícil por si só, e muito poucos casos acabam nos tribunais.

No entanto, a própria introdução dessas estações é um passo em frente. Embora já existam há mais de 20 anos, ainda há mais trabalho a ser feito.

Se há um ponto importante no estudo do Brasil, é que devemos continuar a observar e pesquisar criticamente o curso da violência. Dessa forma, podemos nos adaptar melhor para combater sua origem e, esperançosamente, um dia, pará-lo imediatamente.

Conexão da Comunidade

Como você acha que podemos ajudar melhor as vítimas de violência de gênero, tanto no Brasil como em outros lugares?


Assista o vídeo: Violência Contra a Mulher


Comentários:

  1. Tasida

    Eu acho que ele está errado. Vamos tentar discutir isso. Escreva para mim no PM, ele fala com você.

  2. Zulumi

    Parece -me, você estava errado



Escreve uma mensagem


Artigo Anterior

Rupturas de oleoduto Exxon Mobil, despeja óleo no rio Yellowstone

Próximo Artigo

Tornando-se uma mulher de carreira de sucesso na Arábia Saudita